Palavras que Brotam

11 março, 2009

A Sombra dos Abutres


Rio De ouro, gordo, que corria lá em baixo feito fio de água verde, como o que tinhas ao pescoço. Contorcia-se e abraçava as margens, como tu a minha cintura, feita porto de abrigo do frio que se instalava. A vista, partilhada com as grandes aves que pairavam por cima de nós, cortava-nos a respiração e...por instantes, também elas pareciam extasiadas com a degustação de tão recheado repasto visual, aproveitando a brisa e circulando pelos ares.
Naquele fim de tarde perfeito, nem a sua sombra necrófaga enegreceu o quadro; antes o iluminou, transmitindo-lhe uma aura quase surreal. Também eu ainda pairo naquele instante, na suave brisa fresca da memória.
Naquele fim de tarde perfeito, o cheiro do teu abraço bastou-me para proclamar eterna felicidade e brindar, satisfeito, com os grifos, a suprema simplicidade do amor: a paz do silêncio, a força da paisagem e o teu olhar.
Penedo Durão, Douro Internacional

7 Comments:

  • Os "fins de tarde" tem uma magia própria, se forem perfeitos então...

    By Blogger Luz do amanhecer, at 11/3/09 22:31  

  • Luz do amanhecer,
    É verdade...até há quem faça blogs acerca desse tema! ;)
    Obrigado pela tua visita

    By Blogger João, at 13/3/09 10:16  

  • Como sempre as tuas palavras fazem sonhar e acreditar principalmente no amor. Excelente regresso.

    By Blogger Sun, at 13/3/09 12:11  

  • bonito momento de felicidade... um dos que nos faz acreditar.

    By Blogger tufa tau, at 14/3/09 14:57  

  • Sun,
    Ás vezes, acredita-se e sonha-se.
    Obrigado pelas tuas palavras.

    Tufa tau,
    Há momentos em que se acredita no momento...
    Obrigado pela visita.

    By Blogger João, at 14/3/09 22:29  

  • Lindo texto !
    A real good return !

    Jokas da absinto

    By Anonymous Sónia, at 26/3/09 16:51  

  • Absinto,
    Obrigado!
    Ainda aguardo essas crónicas!! ;-)
    Beijinhos

    By Blogger João, at 31/3/09 13:50  

Enviar um comentário

<< Home